ab hoc et ab hac

Cleide, casada com Dori Fontana.
Mãe de 3: Bruna, Daniel e Rafael.


Sou humana. Sou aprendiz. Sou mulher. Sou feliz porque desejo a felicidade. Encontro respostas porque vivo comprometida a buscá-las. Sou amante porque acredito indubitavelmente na capacidade de compartilhar. Esta a minha essência: imperfeita sim... Mas inundada de amor!

tuneldotempo:

História da Arte!

tuneldotempo:

História da Arte!

“A poesia não é a vida e a vida não é a poesia. Ninguém pode viver em estado de poesia 24 horas por dia ou por 70 anos, por isso eu digo que a poesia nasce porque a vida não basta, a arte nasce e foi inventada porque a vida não basta.”

—   (Gullar, Ferreira; em entrevista à revista da minha escola)

(Source: umacertazelig)

umgatodeitadoaosol:

Women Are Heroes. Stairs at the entrance of Rio’s Favela “Morro da Providencia”. August 2008
Photography and installation by JR http://jr-art.net/

umgatodeitadoaosol:

Women Are Heroes. Stairs at the entrance of Rio’s Favela “Morro da Providencia”. August 2008

Photography and installation by JR http://jr-art.net/

(via ctapajoz)

saidajanela:

          (…) considerava-se livre-pensador, o que poderia ter-lhe dado uma maior abertura a um mundo que se transformava, vivia, no entanto, recluso com sua família, avesso a festas, saraus, modas. Para ele, a arte sempre foi o ponto culminante de seu interesse, e a isso foi fiel por toda vida. 

Livro Oscar Pereira da Silva, por Ruth Sprung Tarasantchi, página 19.

(via saidajanela-deactivated20120719)

“Contra ti me arremessarei, invencível e persistente, ó Morte!”

—   Virginia Woolf (via themasquerademind)

(via themasquerademind)

“Uma vez conformado, uma vez feito o que outras pessoas fazem só porque fazem, e uma letargia infiltra-se em todos os nervos mais finos e faculdades da alma. Ela se torna todo o espetáculo externo e vazio interior; estúpida, rígida e indiferente.”

—   Virginia Woolf (via insalubrerelicario)

(Source: themasquerademind, via insalubrerelicario)

“Meu próprio cérebro é para mim a mais inexplicável das máquinas - sempre zunindo, sussurando, voando rugindo mergulhando, e depois se enterrando na lama. E por quê? Para que esta paixão?”

—   Virginia Woolf  (via adapte-me)

(Source: themasquerademind, via adapte-me)